LISTA DE EXAMES

Monitorização Neurofisiológica Intra-Operatória

A Monitorização Neurofisiológica Intra-Operatória é a utilização de várias técnicas de Neurofisiologia Clínica (como Potenciais Evocados, Eletroneuromiografia e Eletroencefalografia) para oferecer informações em tempo real sobre o funcionamento do Sistema Nervoso durante um procedimento cirúrgico. Ela tem como objetivo identificar o funcionamento inadequado do Sistema Nervoso no decorrer de uma cirurgia, muitas vezes permitindo ações que retornem esta função ao normal. 
 
Como é feita a Monitorização Neurofisiológica Intra-Operatória?
As escolha das técnicas que precisam ser utilizadas dependem de um planejamento levando em conta o tipo de cirurgia que será realizada, analisando riscos e possíveis complicações relacionadas ao procedimento cirúrgico. Os eletrodos são colocados antes do início da cirurgia, mas após a anestesia, de forma a proporcionar maior conforto ao paciente, e são retirados antes que o paciente acorde. Estes eletrodos possibilitam estímulos e registros importantes para a Monitorização, e são realizados antes do início da cirurgia (para efeito de comparação com os registros subsequentes) e continuamente durante todo o procedimento. Qualquer mudança nas respostas é analisada pelo Neurofisiologista Clínico e informada ao cirurgião, para que as medidas necessárias sejam instituídas.
 
Preparação para o exame:
A responsabilidade do paciente na preparação para a Monitorização Neurofisiológica Intra-Operatória é exclusivamente informar ao médico Neurofisiologista Clínico sobre a presença de:
•Marcapassos e /ou implantes eletrônicos como: marcapassos cardíacos, dispositivos implantados para estimulação cerebral (DBS – Deep Brain Stimulation), implantes cocleares, bombas de infusão implantadas, estimuladores medulares, etc. Na dúvida, consulte seu médico.
•Crises convulsivas (que não contra-indicam a Monitorização Neurofisiológica Intra-Operatória, mas demandam cuidados especiais).
 
 
Explicação sobre o diagnóstico do exame:
A realização da Monitorização Neurofisiológica Intra-Operatória é um indicador sensível e precoce de alteração da função neurológica durante o ato cirúrgico. Como exemplo, reduz em cerca de 60% a ocorrência de sequelas permanentes em cirurgias de Escoliose. Pode ser utilizada principalmente em cirurgias ortopédicas (coluna cervical, torácica ou lombo-sacra), em neurocirurgias (Tumores, Epilepsia) e em algumas cirurgias de cabeça e pescoço e/ou otorrinolaringológicas, que colocam em risco a integridade do Sistema Nervoso Central ou Periférico.